Arquivo do mês: dezembro 2008

Rede social?

O Brasil ama esse negócio de rede social. Essa coisa de amigos virtuais. Como assim? Amigos virtuais. Todo mundo que te conhece. Ou que conhece alguém que te conhece. Pedindo pra você adicioná-los como amigos? Centenas deles? Tô fora.

O Orkut é uma mania tão grande que até minha mãe conhece. E olha que ela já é bem velhinha e ainda não aprendeu nem a usar o controle remoto da televisão. Mas a danada chega pra mim e fala: “você viu no iogurt, que a Maria já tem dois filhos?”. Pois é, nem ela resiste a não fuçar a vida dos outros nessa tal rede social.

Mas eu consegui passar ileso por essa… Walmor Salgado no Orkut? De jeito nenhum. Me falaram que todo mundo se encontra lá. Que as pessoas acham outras pessoas que não viam há anos, há décadas!! Não! Tô fora… Era só o que me faltava! Todo mundo encontra todo mundo? E eu lá no meio? Não!! Por favor! Não!! Não quero ninguém me encontrando. Pessoas me deixando recados esperando que eu responda… Parentes me desejando feliz aniversário. Comunidades onde pessoas com gostos em comum se juntam. Não! Isso não pode ser verdade. Como alguém criou algo tão pavoroso? Se o inferno existe mesmo, eu imagino que ele deve ser tipo o Orkut…

E você, meu ilustre leitor. Vai me dizer que você está no Orkut? É claro que não, né?

Anúncios

3 Comentários

Arquivado em Texto

Martelada neles!!

Não adianta. Eu já sou um rabugento por natureza, mas é só eu sair pelas ruas ou ter contato com outras pessoas que o mau humor já aflora a minha pele… São pequenas coisas, coisinhas que me deixam literalmente puto da cara… Na minha opinião, certas atitudes da nossa vida cotidiana deveriam ser consideradas crimes e a punição: martelada nos dedos!!! Enumero a partir de agora alguns exemplos do que quero dizer:

Motoqueiros que estouram escapamentos – %$¨#&#!!! Eles me dão um susto da porra!! Porque esses imbecis têm essa idéia e fazem isso? Ficam ligando e desligando a moto em movimento pra dar aqueles pipocos bem altos, que parecem tiros… São uns babacas!! Acho que não sou o único que leva sustos… Acho que deveria haver uma fiscalização maior para autuar esses imbecis… Estourou escapamento, uma martelada na ponta de um ou dois dedos… Estourou escapamento dentro de túnel, uma martelada bem no meio da mão… Com a palma da mão virada pra baixo… Pra toda vez que o cara acelerar a moto, lembrar do castigo… Se deixarem, posso me candidatar a ser o martelador oficial.

Jovens com o som do carro no talo – Também… Acho que mereciam umas marteladas na ponta dos dedos… Por que cargas d’água essas pessoas precisam ouvir o som tão alto? Você só escuta uns graves que doem no ouvido… Não dá nem pra entender o que está tocando… As janelas da minha casa até tremem… Punição: som alto demais – uma martelada… Se a música for um funk carioca, que agora está na moda em São Paulo – duas marteladas…. E se o cara tiver néon em volta do carro, martelada no meio da mão… Sem dó!!

Pessoas que te empurram pra entrar no trem – Idem. Se só empurrou, uma martelada… Se te encochou, uma martelada no meio da mão… E aqueles que tentam caber num espaço que não existe, depois que todo mundo já entrou no trem… Aí vem o mala e força todo mundo pra frente, na maior cara de pau… Se bem que esses filhos da puta mereciam mesmo era uma martelada na boca, pra quebrar todos os dentes da frente.

E por aí vai… Ainda vou enumerar mais exemplos… Mas enfim, acho difícil essa lei surgir… A lei da punição com martelada.. Com ela, acho que o mundo seria bem melhor… Mas como é improvável que isso venha acontecer, acho que já sei o que fazer… A partir de hoje, quando sair de casa, levarei na minha velha maleta de couro, um lindo e reluzente martelo!

Deixe um comentário

Arquivado em Texto

Como lidar com as outras pessoas

Todos nós sabemos que lidar com as outras pessoas é uma tarefa complicada. Por isso, o melhor a fazer é não lidar com as pessoas. Evite o contato. Seja rabugento! Faça as pessoas te evitarem. É muito melhor.

Como por exemplo com aqueles malas sem alça que tocam campainha na sua casa no domingo de manhã. Eles mesmos. Os Testemunhas de Jeová…. Se eu fosse o Urtigão, das histórias em quadrinhos, sacava minha espingarda de sal e saía tacando fogo no rabo deles. Como pode? Tocar campainha na casa de uma pessoa num domingo de manhã? Isso devia ser crime hediondo… E muitos deles são insistentes. Tocam várias vezes. Mas eles não ganham de mim. Podem tocar quantas vezes quiserem, eu não vou me levantar da minha poltrona pra atender. Nunca! Jamais! Saiam felizes de eu não tacar uns copos de vidro em vocês.

E aqueles que vêm oferecer assinatura pra um plano de teatro na cidade? Em São Paulo tem isso. Uma carteirinha pra você assistir um monte de peças em cartaz. Os caras ficam entrando na sua frente na rua e oferecendo a assinatura: “Gosta de teatro, senhor?”.. Não venham falar comigo!! Que saco!! Não chega perto!!. Teatro é bom, mas só de pensar em sentar perto de outras pessoas, pegar fila e tudo mais já me faz desistir de qualquer possibilidade de ver uma peça. Coloquem no youtube e eu vejo, combinado?

Às vezes paro pra tomar um café com leite na padaria. Muitas vezes, acontece de colar algum mala do meu lado. Puxa algum papo. É, são eles. Os bêbados de balcão. Que saco. Chegam contando uma história pessoal qualquer que não te interessa nem um pouco. Impregnam. Ficam falando perto da sua cara. Não dá. Estragou meu café da manhã. Termino logo o café e vou embora. Puto da cara. Minha primeira vontade é de dar logo uma bofetada no pé da orelha. Mas não é muito bom sair arrumando briga por aí. Então se alguém souber um jeito melhor de se livrar desses malas, me avise. Eu sempre digo. Quando se trata da arte de evitar os malas, aprender nunca é demais.

3 Comentários

Arquivado em Texto

Perguntas, perguntas…

Se você anda de mau humor, uma boa saída pra acabar com isso pode ser a prática de dar respostas sinceras para perguntas ou comentários imbecis… Mais ou menos como naquela sessão da saudosa revista Mad… Pratique. Faz um bem danado.

Um leitor do site chegou pra mim esses dias e disse: “Nossa Walmor… Li uns posts no site que são, tipo assim, muito você”.  Eu respondi na lata: “É claro! Inclusive, quem escreve esses textos, que são ‘muito eu’, sou eu mesmo”. Tenha a santa paciência. Se sou eu que escrevo, como a pessoa vai me dizer que os textos têm a minha cara. Isso é lógico.

Que nem quando você corta o cabelo, e todo mundo chega e fala:  “Nossa, cortou o cabelo?” Dá vontade de dizer: “Não, foi minha cabeça que aumentou de tamanho”. Ou quando você chega em algum lugar e a pessoa diz: “Já chegou?”. Eu respondo: “Não. Eu acho que você está sonhando”.

E quando você acorda e outra pessoa diz: “Já acordou?”. Normalmente, eu me calo. Prefiro não responder essa pra não ser grosseiro.

Em geral, prefiro que não me perguntem nada. Até hoje, me recuso a usar relógio de pulso simplesmente porque as pessoas ficam te parando na rua pra perguntar as horas. Pra evitar essa encheção, prefiro não usar relógio.

Tente dar essas respostas sinceras. Seu dia será muito melhor.

Ah, e se me perguntam porque sou assim, uma pessoa tão rabugenta, essa eu faço questão de responder. Quer saber por que eu sou assim? Porque sim.

1 comentário

Arquivado em Texto

Um pouco mais sobre Walmor Salgado

Com o sucesso desse blog, muita gente quer saber mais sobre a personalidade de Walmor Salgado. Sobre quem é este peculiar rabugento que todo dia (menos de fim-de-semana) escreve algo aqui nesta página. Pois bem. Em breve colocarei uma foto minha neste site. O problema é que a última vez em que deixei me fotografarem foi nos anos 60, pois fui obrigado pra poder trabalhar no jornal Tribuna de Taquarituba, no interior do estado de São Paulo. Enfim, pra falar um pouco mais de mim, resolvi parodiar meu velho amigo Angeli (um ilustre rabugento) e fazer uma lista de algumas coisas que gosto e outras que não gosto. Mas isso é só o começo. Depois tem mais!

Não gosto
Gente
Pessoas
Seres-Humanos

Gosto
Paçoquinha de Amendoim

Não Gosto
Aglomerações
Multidões
Muvucas

Gosto
Cauby Peixoto

Não Gosto
Frio
Calor
Chuva

Gosto
Aquela música do Pelé: “ABC, ABC, Toda Criança Tem que Ler e Escrever…”

Deixe um comentário

Arquivado em Texto

Guia Prático de como lidar com um flanelinha

Existe coisa pior que um flanelinha, um guardador de carros? Já começa que o cara é um puta de um folgado que fica te cobrando por uma coisa que é de graça:  parar o carro na rua. Eu evito…  Fujo deles como o diabo foge da cruz.. Mas se o contato for inevitável, seguem algumas dicas do Walmor:

1) Se o flanelinha simplesmente diz: “posso olhar o carro, chefia?”. Você responde: “Pode”… Quando você voltar e ele pedir dinheiro, você fala que não tem. O cara vai falar que tinha perguntado se podia olhar e você disse que sim. Aí é só confirmar na maior cara de pau: “você perguntou se podia olhar, eu falei que sim. Ninguém aqui falou de dinheiro”. E vá embora rindo a toa e sem pagar.

2) Se o cara pede pagamento adiantado. – Diga que vai pagar na volta. Quando você voltar, entre no carro fingindo que está pondo a mão no bolso pra pegar o dinheiro. Ligue o carro e saia a milhão. Ele não vai correr atrás de você, pode acreditar.

3) Quando parar o carro, diga que vai pagar na volta. Quando voltar, diga que pagou na chegada. Alguém tem prova que você está mentindo?

4) Passe uma nota falsa. De preferência, passe-a enroladinha, pra ele nao perceber na hora. Essa é uma das minhas preferidas!!

E a melhor de todas!!!!!

5) Quando um flanelinha aparecer na sua frente, simplesmente atropele-o. Esse nunca mais vai encher o saco!!

Diário de Um Rabugento. O melhor guia de auto-ajuda da internet.

1 comentário

Arquivado em Texto

Ei, você aí, me dá um dinheiro aí…

Como eu detesto essa época do ano… E, já não bastava todas essas imbecilidades natalinas que tenho citado aqui no blog, ainda tem uma outra que me revolta, me deixa puto da cara, muito, muito mesmo… É a famosa “caixinha de natal”…

É aquela coisa: o guardador de carros vem com a maior cara de pau com uma folha de papel e pede pra você assinar, dizendo que é a tal da caixinha de natal… Aí os garis do lixo tocam na sua casa, e vêm com a mesma história… Aí vem o porteiro do seu prédio também…Todo mundo quer caixinha de natal!!  Imagina quanto dinheiro vai embora da sua carteira se você for dar caixinha de natal pra todo mundo.

Já faz alguns anos que passei a adotar uma tática… Passei a pedir a caixinha de natal também… Mas só pra quem vem me pedir… Então o gari chega, me pede a caixinha de natal e eu peço pra ele também… É isso mesmo… O cara chega com aquele papo:

“Aí patrão, vamos colaborar com a caixinha de natal?”
No que eu já respondo na lata:
“Opa, que bom que você apareceu. Queria te pedir a minha caixinha de natal também”
“Como assim, chefia?”
“Como assim o que? Por que eu não posso querer caixinha de natal também?”Você não quer que eu te dê dinheiro? Eu quero que você me dê dinheiro também. É uma troca. Espírito de Natal. Todo mundo sendo caridoso com todo mundo”.

É claro que nenhuma dessas pessoas me deu algum trocado alguma vez. Toda vez o assunto se encerra. A pessoa fala um “deixa pra lá” e vai embora. Eu não ganho um centavo, mas acabo não dando caixinha alguma de Natal. Mais uma vez eu digo: era só o que faltava. Walmor Salgado sair dando dinheiro pros outros. E ainda mais por causa do Natal. E você? Vai continuar sendo bonzinho até quando? Faça com eu. Seja um rabugento você também.

1 comentário

Arquivado em Texto