Arquivo do mês: janeiro 2009

Letra comentada – A grande asneira de Tim Maia

Estava eu ouvindo um LP do saudoso Tim Maia quando notei que, apesar de ser um gênio, ele escrevia umas letras bem incoerentes… Desculpe, saudoso mestre, mas achei um absurdo a letra dessa música… Vou escrevê-la aqui e colocar meus comentários em seguida:

Tim Maia – Não Quero Dinheiro (como assim, “não quero dinheiro”? já começou mal)

Vou pedir pra você voltar
Vou pedir pra você ficar
Eu te amo!
Eu te quero bem…
(“era só o que me faltava, pedir pra alguém voltar, pedir pra alguém ficar… eu sou orgulhoso, não peço nada pra ninguém“)

Vou pedir pra você gostar
Vou pedir pra você me amar
Eu te amo!
Eu te adoro, meu amor!
(“declarações de amor não combinam com a minha pessoa… e também não quero que ninguém me ame”)

A semana inteira
Fiquei esperando
Pra te ver sorrindo
Pra te ver cantando
(“esperando pra te ver sorrindo? sai pra lá alegria, até parece que eu vou querer alguém sorrindo e cantando perto de mim… se fizer isso, já leva logo um tabefe na cara!”)
Quando a gente ama
Não pensa em dinheiro
Só se quer amar
Se quer amar

Se quer amar (“como assim? quando a gente ama não pensa em dinheiro?? e você vai pagar as coisas pra outra pessoa como? eu penso em dinheiro sim… dinheiro sim, amor não”)
De jeito maneira
Não quero dinheiro
(“não quero dinheiro?? pô tim maia, você estava doidão quando escreveu essa letra?”)
Quero amor sincero
Isto é que eu espero
Grito ao mundo inteiro
Não quero dinheiro
Eu só quero amar!…
(“no dia em que eu sair gritando ao mundo inteiro que eu não quero dinheiro e só quero amar, vocês podem me internar… ou já ir preparando meu velório… provavelmente eu estarei tendo alucinações pré-morte”)

Te espero para ver
Se você vem
Não te troco nesta vida
Por ninguém
Porque eu te amo!
Eu te quero bem…

Acontece que na vida
A gente tem
Que ser feliz
Por ser amado por alguém
(“a gente tem que ser feliz e amado por alguém? eu quero é mais que as pessoas esqueçam que eu existo… amor eu já tive da minha mãe e já foi o suficiente)
Porque eu te amo
Eu te adoro, meu amor!…

É, Tim Maia…  Essa letra, pra mim, deve ter sido escrita num momento de grande alucinação da sua pessoa… Admiro sua rabugisse, principalmente no palco… Mas essa letra, definitivamente, não foi feita para mim… Aliás, acho que quase nada no mundo foi feito para mim. Me sinto um extraterrestre nessa terra de “gentes normais”

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

A Hora do Pesadelo!!!!

pesadelo

Essa noite eu sonhei… Na verdade, tive um pesadelo… Daqueles em que você acorda de repente, todo suado, e pensa instintivamente: “nossa, ainda bem que era só um sonho”… E tudo aconteceu mais ou menos assim:

Como em muitos sonhos, esse começou bem confuso e tumultuado. Eu estava no meio de uma multidão. Era muita gente. Um mar de gente. E elas estavam animadas. Muito animadas. E suadas. Muito suadas. E elas pulavam. E esbarravam em mim. E me melecavam de suor. Era muito ruim. Eu me sentia um bicho acuado no meio de uma multidão insandecida. Era pior que filme de terror. Era um pesadelos daqueles. Eu sonhei que estava no meio de uma micareta!!!!

Pausa dramática. Respira fundo. Só de lembrar, já me falta o ar. “Ô muié, cadê minha bombinha de asma?!”

Corta. Volta pro sonho. Aquilo era desesperador. As pessoas usavam umas faixas na cabeça. E umas camisetas verde-limão. Pareciam estar no momento mais feliz de suas vidas. Pulavam abraçadas!

Meu sonho era tumultuado. Às vezes, tudo parecia estar em câmera lenta. E com flashes disparando rapidamente. Como uma luz estroboscópica. Eu acotovelava as pessoas que esbarravam em mim. Tentava sair do meio daquela multidão mas não conseguia. O mar de gente não acabava. Pra qualquer lado que eu ia, nunca achava a saída. Como se estivesse no meio de um deserto sem saber pra que lado ir. Aquilo era pior que o Saara. Eu não conseguia escapar. E o pior: isso tudo acontecia ao som do Axé Music. A cada momento eu me desesperava mais. E, no auge da adrenalina, eu acordei!

Minha respiração era ofegante. O coração estava acelerado e o suor escorria gelado em minha testa. Caramba! Que pesadelo! Eu me vi no meio de uma micareta! Mas tudo não passou de um grande vacilo. Eu cochilei na poltrona e a televisão estava ligada na TV Plin-Plin. E eles transmitiam um tal de “Festival de Salvador”. Naquele momento em que eu acordei, estava tocando um tal de Chiclete com Banana.

“Caramba, mulher!! Eu já não falei pra desligar a tv quando eu pego no sono na minha poltrona!!”

Tá vendo só. Se eu tivesse apagado ouvindo um LP do Cauby, eu só teria doces sonhos… Conceiçãããããão, eu me lembro, muito beeeeem…..

Deixe um comentário

Arquivado em Texto

Mil visitas ao site… E a falta do que fazer…

Pois é… E eis que o Diário de Um Rabugento chega às mil visitas… Em pouco mais de um mês de existência… E é nessas horas que eu penso: como as pessoas andam sem ter o que fazer.

Eu comecei a escrever nessa joça pra ocupar um pouco do meu tempo de jornalista aposentado. E é incrível como as pessoas se identificam com esses casos reais da minha vida de rabugento. Muita gente diz assim: “Poxa Walmor, eu gosto do que você diz porque, muitas vezes, já quis fazer a mesma coisa mas não tive coragem”. Ué? Não teve coragem? Por que? A partir de agora, não passe mais vontade. Tenha coragem! Fale em voz alta, brigue, discuta, dê escândalo e, principalmente, expresse suas idéias. O mundo moderno não dá vez para os bananas. Se você não falar o que você acha, ninguém vai saber. Se você falar baixinho, com medo, não vão te respeitar. Por isso, diga o que você pensa! E diga em alto e bom som!

Mas enfim. De volta ao começo. As 1000 visitas ao site. Eu sei que tem site que consegue muito mais que isso em apenas um dia. Mas ainda bem que isso não acontece no meu. Já pensou? Dezenas, centenas de internautas enchendo meu saco todos os dias? Não!! Os poucos que escrevem aqui já são o suficiente pra torrar minha paciência diariamente. Mas às vezes é pior. As pessoas vem falar comigo nas ruas! Então, escute, você, que está lendo isso. Não venha falar comigo na rua. E, principalmente, não me segure pelo braço. Já enfiei o guarda-chuva na cabeça de uns dois ou três que chegaram me cutucando ou me segurando pelo braço. Depois eles disseram que eram meus fãs. Mas pra mim tanto faz. Encostou em mim, leva guarda-chuvada. Por isso, pelo bem da sua saúde, mantenha comigo apenas o contato virtual. E, se possível, nem o virtual. Esqueça que eu existo. Como dizia o Tim Maia: o que eu quero é sossego.

3 Comentários

Arquivado em Texto

Parabéns São Paulo!!!

Neste último domingo aconteceu essa grande babaquice também conhecida como “o aniversário de São Paulo”. E desde quando cidade comemora aniversário? E no caso de São Paulo, então? O que a gente tem pra comemorar?

Ok, ok, não me apedrejem… Eu sei… As pessoas adoram essa cidade… É isso aí!! São Paulo é demais!!

O pessoal costuma falar que São Paulo é a cidade das oportunidades. E é verdade. É só você sair na rua que você tem várias oportunidades… Oportunidade de ser assaltado, de ser seqüestrado, de arrumar uma briga no trânsito… Só em São Paulo você tem também a oportunidade de pegar um trem completamente abarrotado de gente… E de pegar um engarrafamento em plena madrugada… Me fala?? Em que outra cidade você pode ficar preso num congestionamento às 3 da manhã? Só em São Paulo mesmo.

Tem gente que diz que se orgulha de São Paulo. Eu já tentei várias vezes sentir esse orgulho. Daqueles de encher o peito. Até tentei. Várias vezes, assim que acordei, abri a janela do quarto, olhei pro sol e respirei bem fundo. Mas bem fundo mesmo. Acabei engasgado com tanta fumaça de caminhão. E nesse ponto São Paulo também é a cidade número 1 do Brasil. A campeã de poluição. E sem contar que aqui faz calor, faz frio e chove no mesmo dia.

E depois disso tudo, os caras ainda me inventam de comemorar o aniversário da cidade com shows gratuitos. De Daniela Mercury, Paula Toller e Lulu Santos. Aí é sacanagem. Deve ser de propósito, pra ferrar mesmo os moradores dessa cidade.

Ah, e esqueci. Aqui também tem alagamentos, tem rios poluídos, muito barulho, ônibus caro, taxi caro, cinema caro, polícia violenta, e muita, muita gente chata. Como tem gente chata por aqui. Em proporções gigantescas.

Mas aqui também tem uma coisa boa. E eu te digo o que é. Chama-se “Rodoviária do Tietê”. É lá que, sempre que eu posso, eu pego um ônibus pra bem longe daqui. E quem sabe, um dia, eu pego um desses ônibus com passagem só de ida. Pra nunca mais voltar…

Deixe um comentário

Arquivado em Texto

Top 10 do Walmor – … and the winner is…

Hoje eu queria falar sobre essa chatice de aniversário de São Paulo. Mas eu prometi que ia anunciar o vencedor do Top 10 do Walmor. Então eu falo de São Paulo amanhã. E quanto ao primeiro lugar do meu ranking… Você tinha alguma dúvida de quem iria ganhar? Oras bolas!! É claro que sou eu…

1. Lugar – Walmor Salgado

walmor-13

A pessoa que eu mais gosto no mundo sou eu. Quando penso o quanto gosto de mim, já me lembro de um conjunto de rock que meu filho ouvia muito nos anos 80, o Ultraje a Rigor: “Eu me amo, eu amo… Não posso mais viver sem mim”.

Quer dizer, na verdade, eu não gosto tanto assim de mim. É que eu desgosto tanto dos outros que a pessoa que eu menos desgosto sou eu mesmo. Mas tudo bem, eu sei que eu sou um mala. Um mala sem alça. Daqueles que quando entra numa discussão não dá o braço a torcer por nada. Quando eu entro numa discussão, eu consigo ser chato. Que nem quando a gente vai numa repartição pública, pega 15 filas, 30 senhas e no fim do dia ainda vai embora sem ser atendido. Ou quando você quer resolver um negócio no banco e não consegue. Aí eu sou chato. E discuto. E faço escândalo! E começo a bater boca aos berros. Pra todo mundo ouvir e virar o maior rebuliço. E deixar as pessoas costrangidas. Algumas vezes, acabei sendo retirado do local. Carregado por dois seguranças, um em cada braço. Esses bastardos!! Me erguem no ar e ainda amassam meu terno xadrez. Mas enfim, eu gosto de mim assim. Chato como eu sou.

E nisso eu sou mestre. Sou realmente rabugento. Mas eu não queria ser de outro jeito. Eu gosto de ser assim. Não faço promessas pra mudar algo no meu jeito, pois eu não quero mudar. E, por tudo isso, eu mereço esse primeiro lugar. Eu não sou aquela cerveja famosa, mas sou o número 1. E eu já disse nesse post mas não custa repetir: “Eu me amo, eu me amo… Não posso mais viver sem mim.. o-o-0-o…”

Deixe um comentário

Arquivado em Texto

Top 10 do Walmor – Balanço geral

O meu ranking das dez pessoas que mais gosto está chegando ao fim. Mas antes de anunciar o primeiro lugar, gostaria de fazer algumas considerações.

Diferente de concursos em que as pessoas ficam com aquele discurso de que foi muito difícil escolher os vencedores, pra mim não foi nem um pouco. Não matutei muito e nem me prendi em critérios de desempate. Eu sei de quem eu gosto e pronto. E sei, principalmente, de quem não gosto – e olha que é gente pra caramba, quase todo mundo.

As pessoas desse ranking são todas pessoas que, assim como eu, tem o sangue quente. Que não guardam pra si o que acham. Que falam em alto e bom som, pra serem compreendidas mesmo, doa a quem doer. TÁ ENTENDENDO O QUE EU TÔ FALANDO??!! São pessoas que, de uma forma ou outra, são rabugentas. Que sabem que a vida não é bela, que rir é o pior remédio e que quem riu por último, simplesmente não entendeu a piada ou não viu motivo pra rir. 

Esqueci de algo em minha lista: de dizer o nome do vendedor de pamonhas. É o Baiano. Aprenda isso. Nunca revele o nome do seu vendedor de pamonha. Diga sempre que é o Alemão, o Baiano, ou dê algum outro apelido. Pra despistar os outros e seu vendedor continuar exclusivo. Para poucos. Obrigado, Baiano! Você é o cara!

E meu ranking, até agora, ficou assim:

  • 10 – Derci Gonçalves
  • 9 – Alborghetti
  • 8 – Bob Dylan
  • 7 – Rubinho, do Quinteto Onze e Meia
  • 6 – Angeli
  • 5 – Charles Chaplin
  • 4 – João Gilberto
  • 3 – Baiano da Pamonha
  • 2 – Galvão Bueno

E na segunda-feira, a surpreendente e impactante revelção do primeiro lugar. Chega, cansei de escrever. Vou sair. Sexta-feira é dia de ir pescar.

Deixe um comentário

Arquivado em Texto

Top 10 do Walmor – Medalha de Prata

A incrível lista das 10 pessoas que Walmor Salgado mais gosta no mundo

2o. Lugar – Galvão Bueno

Galvão Bueno é meu mestre. Todo dia eu digo: “O Galvão é meu pastor e nada me faltará”.

Como pode alguém conseguir ser tão odiado de norte a sul do país? Ser execrado por milhões e milhões de pessoas? Eu tento, tento, mas sei que jamais chegarei nesse nível.

Galvão realmente sabe como irritar as pessoas. E ainda ganha bem pra isso! Ele ganha uma fortuna, ganha um microfone e faz o seu trabalho. Fica quase duas horas falando besteiras, cornetando técnicos e jogadores e dando gritos irritantes carregando na letra R.

Já vi muitos cartazes em estádios. Me lembro de um muito bom, que trazia a frase: “Galvão, vai pentear macaco”. Demais!! Bem que eu gostaria de ver o mesmo só que mudando o nome para o meu: “Walmor, vai pentear macaco”. Seria incrível.

Mas eu vi que Galvão chegou ao nível máximo de excelência quando, assistindo a um jogo, Galvão disse: “E a torrrrcida canta animada nas arrrquibancadas!!”. Nisso, mostra a torcida  que, em coro, cantava no estádio lotado: “EI, GALVÃO, VAI TOMAR NO CU!! EI, GALVÃO, VAI TOMAR NO CU!”. Demais, incrível, simplesmente perfeito.

A partir daí, passei a ter esse sonho. De um dia ver um estádio lotado ou, quem sabe, o Brasil inteiro dar as mãos e gritar em alto e bom som: “Ei Walmor, vai tomar no cu!!”… Quem sabe eu chego lá. Sei que já estou velho, mas não perdi esse sonho.

Galvão Bueno. Simplesmente sinônimo de perfeição. Se me perguntassem quem eu gostaria de ser, com certeza eu diria que quero ser você. Galvão, você é demais!! Meu ídolo!!

E, se você, leitor-mala desse blog, quiser me ajudar a realizar meu sonho, comece a partir de agora. Faça como muitos já fizeram. Xingue o Walmor você também!!

3 Comentários

Arquivado em Texto