Arquivo do mês: outubro 2009

Haikai do Walmor – Parte 2

Alguns posts atrás,  falei um pouco sobre o Haikai, essa curiosa forma de poesia japonesa. Andei praticando, e resolvi compartilhar aqui mais um pouco desse meu novo prazer: escrever haikais. Espero que gostem:

“Haikai do Tempo”
Dois mil e nove
O ano está acabando
E eu com isso?

“Haikai do dinheiro”
Dinheiro não compra amor
Dinheiro não traz felicidade
E eu adoro dinheiro!

“Haikai de São Paulo”
Poluição na cidade
Trânsito nas ruas
Alguma novidade?

“Haikai do Ódio”
Odeio a falsidade
Odeio a honestidade
Aliás,  odeio tudo

“Haikai para um Natal feliz para o Walmor”
O Natal está chegando
Pessoas malas pedem caixinha
Eu peço um Caixão!

Bom, depois tem mais! Se eu estiver vivo pra escrever nessa joça, é claro.

3 Comentários

Arquivado em Texto

Como trabalhar para um idiota – Parte 2

Pois é. Conforme prometido, vou divagar mais um pouco sobre esses imbecis que importunam nossa vida também conhecidos como chefes.

Lembrei-me agora de um outro tipo muito peculiar, o qual eu costumo chamar de “chiliquenta”.

O chefe “chiliquenta” é uma pessoa mal resolvida. Provavelmente tem problemas pessoais sérios. É uma pessoa sem amigos e, talvez, infeliz. Ao mesmo tempo, acha que é superior aos seus subordinados e, por isso, acha que tem o direito de usar tons de voz mais elevados para estabelecer a comunicação com a equipe.

Normalmente, o chilique acontece quando esse chefe já vem sofrendo uma pressão dos superiores dele. Desequilibrado como ele é, fica só esperando o momento de passar pra frente o nabo que acabara de levar. E eis que chega o momento: você faz algo que ele – ou ela – não considera de seu agrado e começa o chilique. É um ataque histérico sem pausas. Agudos que doem aos ouvidos são emitidos constantemente. É um misto de rodar a baiana com soltar a franga. Um verdadeiro show. Não adianta nem você tentar dizer alguma coisa, pois nesse momento esse chefe já está fora de si. Surdo e vermelho de raiva.

A melhor coisa a fazer nesse momento? Saia de perto pra não voar baba em você. Vá tomar um café e deixe o chefe “chiliquenta” chilicando sozinho. Ou mande-o pro raio que o parta!

7 Comentários

Arquivado em Texto

Como trabalhar para um idiota

chefe

Estava eu vasculhando uma livraria na internet quando me deparei com um livro que me chamou a atenção pelo título sugestivo e auto-explicativo: “Como trabalhar para um idiota”. Incrível! Pensei comigo: taí uma questão relevante e que realmente faz parte  da vida da maioria das pessoas, com exceção daquelas que são os próprios chefes idiotas.

Apesar de achar muito interessante, eu não comprei o livro, já que eu não tenho que aturar chefe algum, pois sou aposentado, e também porque eu sei muito bem todas as respostas para essa questão. Mas caso esse não seja o seu caso, vou tentar te passar um pouco da minha sabedoria.

1. Chefes idiotas são pessoas idiotas.É isso mesmo. Se ele é um chefe idiota, é porque ele já é uma pessoa idiota. Faz parte da natureza dele. Por isso, não seja amigo dele! Pense bem: pra que ser amigo de um idiota? Você não ia querer ter um idiota no seu círculo de amizades, por isso, não seja amigo dele. Fale o necessário, responda o que lhe for perguntado e despreze essa pessoa. Não puxe o saco dela! Não faça média! Jamais faça média! Tenha uma relação de chefe e subordinado. Ele pede, você faz. Ele pergunta, você responde. Aos poucos, ele vai notar que você não se abala tanto com o fato de ele ser um idiota e vai te respeitar mais e, quem sabe, vai ser até menos idiota.

2. Não pisa no meu calo que eu não pisei no seu. Que o cara seja um idiota, tudo bem, já que quase todos os chefes são assim, não tem jeito. Mas uma coisa que deve prevalecer é o respeito. Não existe trabalho que valha a pena ter que aceitar o desrespeito de um idiota. Nas redações de jornais que eu trabalhei, jamais deixei algum chefe faltar com o respeito com a minha pessoa. Quer reclamar, tudo bem? Quer ficar putinho, tudo bem. Mas me respeite! Teve um que veio dar pitizinho sem razão. Levou um apavoro que ficou pianinho pra sempre. Eu sempre peitei esses babacas. Se ele baixava o nível, eu baixava também. Falava mais alto que ele e dava um apavoro ainda maior que o dele. Em todos os casos, esses babacas ficaram pianinhos, passaram a me respeitar e nunca mais vieram com essas atitudes pra cima de mim. É isso que eu falo: você não é uma mercadoria, não existe dinheiro que pague ter que aturar esses babacas. Se ele te desrespeitar, bata de frente na mesma hora. Na melhor das hipóteses, ele vai baixar a bola. Na pior, vai te mandar embora. Mas eu te digo que vale à pena. É melhor assim. Melhor perder o emprego que ter que engolir esporro daquele idiota do seu chefe.

Bom, esse assunto rende muito mais, mas eu preciso ir no banco sacar minha aposentadoria desse mês. De qualquer forma, fica a lição: Não abaixe a cabeça pro seu chefe idiota, não faça média e não aceite a falta de respeito. Espero voltar depois pra falar mais desse assunto.

Ah, e esqueci de falar: depois de aturar vários chefes idiotas, isso acabou quando eu virei um chefe! Pois é, mas eu não fui como eles. Eu não fui um chefe idiota. Eu fui um chefe…. digamos assim…. rabugento. Bem rabugento. Como eu sempre fui. Como eu sempre serei. Um rabugento por natureza!

6 Comentários

Arquivado em Texto