Arquivo da tag: sexta-feira 13

Um jeito Walmor de ser – O Estilo Foda-se

Apesar desse meu estilo, sempre rabugento, sempre mal humorado, é incrível como as pessoas admiram a minha pessoa. Digo isso pelo número de malas que me param nas ruas para pedir conselhos e pelo número cada vez maior de visitas a esse site.

Mas para ser um Walmor Salgado, não basta apenas querer. É preciso levar jeito. É preciso ter a essência da rabugisse. Mas não pense que isso é impossível. De jeito nenhum. Basta começar e tentar.

Pensando nisso, vou ensinar a partir de agora algumas técnicas. Uma de cada vez. E, nesse texto de hoje, é a hora de ensinar um dos fatores mais importantes do meu jeito de ser. Estou falando do “Estilo Foda-se”. E como diriam nas promoções em programas de televisão, isso é muito fácil, é muito simples! Vamos lá então.

Por exemplo: alguém chega pra você e diz:
– Hoje é Sexta-Feira, 13!
Você responde:
– Ah, é? Foda-se!

Aí outra pessoa vem pra você e diz:
– Caramba hein, o trânsito dessa cidade está cada vez pior.
O que você responde?
– É mesmo, né? Foda-se!

O Foda-se serve pra tudo. Pras mais diversas situações. Serve pra mostrar que você está cagando mole pras superstições das pessoas (como hoje, nessa sexta-feira 13), serve pra mostrar que você não se importa com o que os outros se importam, serve pra mostrar que você não está nem aí para que os outros acham e, principalmente, pra mostrar que você também é um baita de um rabugento mal humorado.

Pratique. Tente. Quando te dizerem alguma coisa que não te interessa, responda com um foda-se. Quando falarem algo sem a menor importância, você responde: foda-se. Comece a partir de agora. Você vai ver como sua vida vai ficar muito mais leve, muito mais fácil de ser tocada.

E aí, gostou dessa minha dica? Sim? Foda-se! Ah, não gostou? Foda-se!

Anúncios

2 Comentários

Arquivado em Texto

Sexta-Feira 13

E eis que chegamos a mais uma das datas estúpidas do ano. Hoje é sexta-feira 13. O tão temido dia do azar.

Desculpem-me. Eu nunca consegui acreditar que se eu for assaltado, pode ter sido porque eu passei embaixo de uma escada. Eu jamais seria convencido de que tudo deu errado pra mim num dia só porque um gato preto passou na minha frente. É por essas e outras que, numa sexta-feira 13 de alguns anos atrás, eu resolvi por à prova o máximo de superstições de uma vez.

Comecei o dia colocando primeiro o pé esquerdo no chão. Afinal, como diz um amigo meu, melhor acordar com o pé esquerdo do que sem ele. Depois, deixei um chapéu em cima da cama e fiquei batendo a sola dos meus sapatos uma na outra. Ao sair na rua, procurei uma escada e, é claro, passei embaixo. Tudo mais que pudesse dar azar eu fiz, e isso tudo em plena sexta-feira 13. Meu dia foi chegando ao fim e eu conseguia mostrar pra mim mesmo que estava certo. Que mané azar o que?? Superstição é mesmo coisa para trouxas.

Me preparei então para relaxar um pouco. Coloquei meu pijama, minhas pantufas preferidas e fui repousar na poltrona. Minha campainha tocou. Mas quem diabos iria tocar na minha casa? Eu não tenho amizade com nenhum vizinho. Surpresa!!!! Parentes distantes!! Que eu não via há muito tempo. Aquele povo todo do interior de Minas Gerais. Alguns que eu nem lembro o nome. Tinha até uma tia minha!! Essa deve ser mais velha que a Hebe Camargo! Falaram que estavam de passagem por São Paulo e resolveram fazer uma visitinha. Era só o que me faltava. Ficar fazemdo sala pra parentes.

Depois que eles foram embora, minha mulher veio me falar: “Tá vendo, quem mandou brincar com o azar”. Brincar com azar? Até parece que foi por causa de tudo que eu fiz nesse dia que acabei recebendo esse presentão. Não dou o braço a torcer. Isso tudo foi coincidência. E pra comprovar, me proponho a fazer tudo de novo numa próxima sexta-feira 13. Mas uma coisa eu prometo. Não atendo mais a campainha!!

Deixe um comentário

Arquivado em Texto