Arquivo da tag: sonhos

Tempo bom, não volta mais…

Que saudades daqueles velhos tempos.

Saudades daqueles tempos em que eu era um anônimo, que ninguém me pedia conselhos, e que esses malas do Site da Firma não me torravam a paciência pedindo para eu conceder uma entrevista pra eles.

Tenho saudades do passado. Saudades do tempo em que o Big Brother Brasil não existia. Aliás, nem a televisão existia. Era tão bom que fico até emocionado de lembrar.

Dizem que sou saudosista. E digo que sou mesmo. Sou saudosista porque eu cresci numa época muito melhor. Tive uma infância lúdica, cheia de diversão e de imaginação. Acho que aquela época ajudou a moldar muito do que sou hoje em dia. Lembro que eu era uma criança muito cheia de imaginação. Eu vivia viajando em meus pensamentos.

Não sei se isso tem algo a ver com os remédios que eu tomava naquela época. Mas isso não importa. De qualquer forma, achei na minha coleção de recortes de jornal algumas propagandas dos medicamentos que minha mão me dava todos os dias. Eram uma delícia. Um melhor que o outro. Eu me sentia muito bem. Eu me sentia bem demais. E agora eu pergunto: por que eles não são mais vendidos hoje em dia? Vamos lutar pra que esses remédios voltem pras pharmacias. Garanto que vocês não vão se arrepender.

Anúncios

4 Comentários

Arquivado em Texto

A esperança no ano que começa

tim-maia

O sábio Tim Maia já dizia. Esse negócio de ano novo não existe. “Os macacos sabem por acaso que nós estamos em 1900 e bolinhas?”, disse uma vez o sábio e rechonchudo cantor. “Será que pra eles esse não é o ano 30 mil e alguma coisa?”, continuou em sua vã filosofia. Esse cara sabia das coisas. Tim Maia sabia das coisas. Cantava muito, era um puta de um ranzinza que reclamava do som o show inteiro e era muito inteligente.

Na verdade eu nem ligo muito pra essa história de contagem dos anos, se está certa ou não. Tanto faz. Estamos em 2009 e ponto. Beleza. Mas aí alguém vem com aquele papo que a virada do ano serve na verdade pra renovar as esperanças. Pra dividir nosso tempo e nossa vida em ciclos e, assim, termos esperança de que nesse novo ciclo as coisas irão melhorar. E todo mundo cai nessa. Sempre. Todo mundo acha que realmente no ano que começa a vida será melhor. Que passará a ganhar mais dinheiro. Que não terá problemas, nem de saúde nem no amor. Mas aí o ano passa e você que ele não foi tão bom quanto você sonhou que fosse. E aí você acha então que o ano que começa será melhor. Desta vez será melhor. E no fim continua assim. Sempre a mesma porcaria. Mas realmente. É um ciclo. Só que não tem nada de bom nesse ciclo. É o ciclo da vida média. Da vida medíocre. Do sonho de levar uma vida digna, ter uma família e uma casinha pra morar. Então tá. Fique aí, com suas esperanças e sonhos imbecis. Eu não perco tempo sonhando. Prefiro viver. E resmungar. E, pensando bem, enquanto você sonha com um mundo melhor, eu vou ouvir um vinilzão. Do Tim Maia. Esse sabia das coisas. “Alô Santiago, mais retorno! Mais grave! Mais agudo! Mais tudo!”. Tim Maia. Esse é o cara!

3 Comentários

Arquivado em Texto